O que preciso saber?

Proximidade com estações do metrô vira fator decisivo na escolha de imóveis

By 22 de abril de 2019 No Comments
Estações do metrô e a escolha de imóveis

Estações do metrô e a escolha de imóveis

Faz um tempo que a advogada Eugênia Ignatios, de 40 anos, não sabe o que é encarar o caos do trânsito diário de São Paulo. Moradora da região de Indianópolis, na zona sul, ela vendeu o carro que usava para ir de casa ao trabalho e passou a fazer todos os trajetos de metrô e bicicleta elétrica. Desde então, diz que recuperou 3h do seu dia, antes perdidas atrás do volante. “Só faltava ter uma impressora embaixo do banco. Eu cortava unhas, passava maquiagem, tudo presa no engarrafamento.”

 

Além da localização estratégica do bairro, que dá acesso a vias importantes como as Avenidas Ibirapuera e 23 de Maio, a previsão da abertura da estação Eucaliptos, inaugurada no primeiro semestre de 2018 na linha 5-Lilás, foi um dos fatores que a levaram a adquirir um imóvel na região. “Enquanto eu perdia horas no trânsito, poderia estar na academia ou brincando com minha filha. Morar estrategicamente mudou a qualidade de vida.”

 

A escolha da advogada por um ir e vir mais tranquilo, sobre trilhos ou duas rodas, já se tornou tendência entre os moradores da capital paulista (…).

O bancário Eduardo Oliveira, de 52 anos, morou por 10 anos perto do metrô Paraíso e agora está ao lado da estação Santa Cruz. É outro que disse adeus ao carro. “Minha vida se transformou, tudo parece mais perto.” Ele também vê vantagem financeira na escolha: “Meus gastos diminuíram consideravelmente. Carro é bom, mas viver sem o estresse do trânsito é muito melhor”, desabafa.

 

O estresse no trânsito (ou agora a eliminação dele) também é apontado pelo prensista Ricardo Pimentel, de 46 anos. Após morar em Suzano por 30 anos, ele vendeu sua casa e veio com a família para perto da estação Vila Prudente, na linha 2-Verde do metrô, no mês passado, para um apartamento alugado. “O gasto em dinheiro é mais alto porque pago aluguel, mas o que ganho com a agilidade do transporte compensa: mais tempo com a família, menos correria e menos estresse.”

 

Para Alexandre Delijaicov, professor titular da Faculdade de Arquitetura de Urbanismo da USP, o ideal é que as pessoas possam viver nos arredores do local onde trabalham e ter acesso fácil – e a pé – a serviços e lazer.

 

“Este é o meio de transporte mais seguro, não poluente e confortável”, sublinha. Como contam-se nos dedos os bairros que possuem tal infraestrutura, viver perto do metrô faz uma grande diferença. “Finalmente está voltando a percepção da importância dos trilhos urbanos no cotidiano das pessoas”, comemora o urbanista. (…)

 

Fonte: O Estado de São Paulo

Comentários do Facebook